Viver na floresta entre flores e pássaros, uma utopia?

By Arnóbio - Last updated: Saturday, December 17, 2011

EXCERTOS DO LIVRO “AS CONTRIBUIÇÕES DE PARAMAHANSA YOGANANDA À EDUCAÇÃO AMBIENTAL” A SER LANÇADO EM MARÇO DE 2012

Por estar sujeito à fome e aos desejos, o ser humano é obrigado a trabalhar. Sem trabalho, qualquer sociedade seria tomada pelas doenças, pelo crime e pela fome. Se todas as pessoas abandonassem a vida social para viver nas florestas, vivendo apenas na comunhão com flores e os pássaros, as florestas acabariam tornando-se novas cidades. Yogananda lembra o exemplo da vida dos mestres da Humanidade, tal como Krishna, que viveu uma vida completamente iluminada, mesmo sendo um poderoso rei.

Disse Yogananda: “Para evitar as armadilhas dos dois extremos – a renúncia ao mundo ou a sufocação na vida material – o homem precisa treinar a mente, por meio da meditação, para poder praticar as ações necessárias e legítimas da vida cotidiana, enquanto conserva, em seu interior, a consciência de Deus (…) uma vida equilibrada de meditação e atividade, sem apego aos frutos da ação, é o exemplo que a vida de Krishna oferece.

Estar constantemente preocupado, mesmo em ambientes agradáveis, é viver no inferno; viver na ilimitada paz interior da alma, mesmo morando em um barraco miserável, é o verdadeiro paraíso. Dentro de um palácio ou debaixo de uma árvore, devemos levar sempre conosco esse céu interior”.

O unilateralismo não é atitude recomendada nem para a vida meramente espiritual, nem para uma existência puramente material. Mesmo alguém que decida viver num mosteiro, dedicando-se a um caminho espiritual específico, terá seu sustento dependente da atividade industrial ou da manufatura desenvolvida por terceiros. Além disso, para prover as necessidades mínimas, deve haver algum tipo de trabalho que garanta a aquisição do dinheiro para si ou para o seu grupo. Mesmo que viva apenas de doações, estará, implicitamente, aquiescendo a importância das atividades com objetivos materiais e a necessidade de existirem pessoas que se dediquem a elas, sem cuja colaboração não poderia subsistir no mundo.

Paramahansa Yogananda reconhece a tendência de, na Índia, as pessoas cultivarem o pensamento filosófico e a atitude contemplativa. Apesar de reconhecer uma percepção espiritual privilegiada entre os orientais, alerta quanto ao fato de muitos utilizarem seu tempo ocioso para alimentar uma indolência que resvala para a preguiça, descurando das necessidades materiais básicas.

Os ocidentais, por sua vez, optaram por um ideal civilizatório essencialmente materialista, nutrindo toda uma vida engajada em atividades voltadas para a aquisição de bens e acúmulo de riquezas. Criando novos desejos numa escala sem fim, o ocidental vê-se preso a um círculo vicioso que implica trabalhar para ganhar sempre mais um pouco a fim de alcançar um novo patamar de padrão de consumo que despertará novas possibilidades de consumo antes não vislumbradas, exigindo, para ser alcançado, mais trabalho, numa espécie de confinamento, como numa gaiola de corrida de ratos em disputa por comida.

Para dotar as vidas de ocidentais e orientais com a harmonia holística, ambos “precisam adotar um método de desenvolvimento da vida equilibrada (…) se a carência deve ser evitada, a pobreza espiritual deve ser abominada”.

Clique aqui para adquirir o livro.

 

Filed in Espiritualidade, Geral, Ioga, Ser Integral • Tags: ,

A revolta do Ipê

By Arnóbio - Last updated: Monday, December 5, 2011
Um Ipê Amarelo foi cortado e  seu tronco foi
transformado em um poste.
Após o poste ser fincado na rua,
foram instalados os fios da rede elétrica.

Eis que a árvore se rebela contra a maldade humana e
resolve não morrer.Mas a reação foi pacífica,
bela e cheia de amor.Rebrotou e encheu-se de flores.
Assim é a natureza ... vencedora !
Filed in Espiritualidade, Ser Integral

Lançamento: as contribuições de Paramahansa Yogananda à Educação Ambiental

By Arnóbio - Last updated: Wednesday, November 30, 2011

O livro foca uma das questões mais importantes do nosso tempo.O objetivo era pesquisar como os ensinamentos do educador indiano Paramahansa Yogananda podem inspirar a humanidade a encontrar um sentido de existência não contraditório com a sobrevivência das futuras gerações.As conclusões sobre o tema foram sistematizadas por meio de pesquisa acadêmica, apresentada em uma tese de mestrado que foi aprovada na Universidade Federal do Ceará. O livro é resultado desse estudo.A abordagem apresentada no livro contribuirá para aumentar a solidez das bases conceituais e filosóficas da Educação Ambiental em prática no mundo.

TRECHO DO LIVRO “Contribuições de Paramahansa Yogananda à Educação Ambiental é uma valiosa proposta, rumo a este horizonte amplo a ser descortinado, de forma ousada e premente. O seu autor, Arnóbio Albuquerque, reúne as competências nas áreas conjugadas da ciência contemporânea e da tradição sapiencial, para apontar novas direções conscientes e criativas. Uma lúcida e oportuna obra visando à superação da fragmentação na educação e ação ambiental.Yogananda foi um grande mestre que logrou, de forma sábia e pioneira, uma ponte de inestimável valor entre o Ocidente e o Oriente. A sua obra clássica, Autobiografia de um Iogue, é dedicada a Lutero Burbank, considerado por ele um santo. Burbank foi um notável jardineiro e horticultor americano, cuja brilhante obra foi dedicada à pesquisa e aperfeiçoamento dos organismos vegetais. Autor de um livro instigante, A educação da planta humana, Burbank denunciou as contradições de um sistema educacional estreito e redutor, antinatural e repressor da individualidade, postulando um retorno da humanidade à natureza e a Deus na natureza”.Roberto Crema, no prefácio

ADQUIRA O LIVRO

Adquira agora mesmo o livro. Clique aqui para fazer a solicitação.

Filed in Assim disse o Mestre, Ciência da Religião, Ser Integral • Tags: , ,

Dádivas

By Arnóbio - Last updated: Tuesday, September 13, 2011

Você me deu o Seu amor, enchendo o mundo com Suas dádivas.

Elas são vertidas em mim quando nem as reconheço, pois meu coração dorme e a noite é escura.

Apesar de perdido na caverna de meus sonhos, tenho sido arrebatado pela alegria.

Sei que, na manhã em que meu coração despertar, em troca do tesouro de Seus mundos maravilhosos, Você receberá de mim uma pequena flor do amor.

Rabindranath Tagore

Filed in Ioga, Ser Integral • Tags:

Mude um pouco e mude tudo !

By Arnóbio - Last updated: Friday, June 24, 2011

Costumo dizer que o peixe não vê a água em que se encontra mergulhado, mas o coach é capaz de ajudar a ampliar a percepção para que o cliente veja sua realidade com maior clareza. Uma pequena mudança pode fazer uma grande diferença.

Um cavalo que tira o primeiro lugar numa corrida ganha o prêmio máximo. O segundo colocado, nada ganha. O que chega na frente vence, às vezes, por apenas um focinho.

Pequenas mudanças na vida podem produzir uma enorme diferença nos resultados. Você está somente a um nariz dos seus sonhos?

Sempre em frente e avante !

* Arnóbio Albuquerque, Personal and Business Coach, é certificado pela Sociedade Brasileira de Coaching.

Filed in Coaching, Espiritualidade, Geral • Tags:

O que é a Kriya Yoga?

By Arnóbio - Last updated: Wednesday, May 4, 2011

Há alguns anos, a Tv Cultura fez programas sobre a Kriya Yoga, entrevistando monges da Self-Realization Fellowship.

A seguir, o Swami Atmananda explica didaticamene o que é Kriya Yoga, apresentando-a com uma técnica científica universal, não dogmática, acessível às pessoas de todas as religiões e até ateus.

PARTE 1

PARTE 2

Filed in Ciência da Religião, Espiritualidade, Ioga, Meditação, Religião, Ser Integral • Tags:

Uma lição para o Ocidente

By Arnóbio - Last updated: Sunday, April 17, 2011

A carta abaixo foi escrita por um imigrante vietnamita que é policial no Japão (Fukushima). Foi enviada a um jornal em Shangai que traduziu e publicou.

Querido irmão,

Como estão você e sua família? Estes últimos dias tem sido um verdadeiro caos. Quando fecho meus olhos, vejo cadáveres e quando os abro, também vejo cadáveres.

Cada um de nós está trabalhando umas 20 horas por dia e mesmo assim, gostaria que houvesse 48 horas no dia para poder continuar ajudar e resgatar as pessoas.

Estamos sem água e eletricidade e as porções de comida estão quase a zero. Mal conseguimos mudar os refugiados e logo há ordens para mudá-los para outros lugares.

Atualmente estou em Fukushima – a uns 25 quilômetros da usina nuclear. Tenho tanto a contar que se fosse contar tudo, essa carta se tornaria um verdadeiro romance sobre relações humanas e comportamentos durante tempos de crise.

As pessoas aqui permanecem calmas – seu senso de dignidade e seu comportamento são muito bons – assim, as coisas não são tão ruins como poderiam. Entretanto, mais uma semana, não posso garantir que as coisas não cheguem a um ponto onde não poderemos dar proteção e manter a ordem de forma apropriada.

Afinal de contas, eles são humanos e quando a fome e a sede se sobrepõem à dignidade, eles farão o que tiver que ser feito para conseguir comida e água. O governo está tentando fornecer suprimentos pelo ar enviando comida e medicamentos, mas é como jogar um pouco de sal no oceano.

Irmão querido, houve um incidente realmente tocante que envolveu um garotinho japonês que ensinou um adulto como eu uma lição de como se comportar como um verdadeiro ser humano.

Ontem à noite fui enviado para uma escola infantil para ajudar uma organização de caridade a distribuir comida aos refugiados. Era uma fila muito longa que ia longe. Vi um garotinho de uns 9 anos. Ele estava usando uma camiseta e um par de shorts.

Estava ficando muito frio e o garoto estava no final da fila. Fiquei preocupado se, ao chegar sua vez, poderia não haver mais comida. Fui falar com ele. Ele disse que estava na escola quando o terremoto ocorreu. Seu pai trabalhava perto e estava se dirigindo para a escola. O garoto estava no terraço do terceiro andar quando viu a tsunami levar o carro do seu pai.

Perguntei sobre sua mãe. Ele disse que sua casa era bem perto da praia e que sua mãe e sua irmãzinha provavelmente não sobreviveram. Ele virou a cabeça para limpar uma lágrima quando perguntei sobre sua família.

O garoto estava tremendo. Tirei minha jaqueta de policial e coloquei sobre ele. Foi ai que a minha bolsa de comida caiu. Peguei-a e dei-a a ele. “Quando chegar a sua vez, a comida pode ter acabado. Assim, aqui está a minha porção. Eu já comi. Por que você não come”?

Ele pegou a minha comida e  fez uma reverência. Pensei que ele iria comer imediatamente, mas ele não o fez. Pegou a bolsa de comida, foi até o início da fila e colocou-a onde todas as outras comidas estavam esperando para serem distribuídas.

Fiquei chocado.  Perguntei-lhe por que ele não havia comido ao invés de colocar a comida na pilha de comida para distribuição. Ele respondeu: “Porque vejo pessoas com mais fome que eu. Se eu colocar a comida lá, eles irão distribuir a comida mais igualmente”.

Quando ouvi aquilo, me virei para que as pessoas não me vissem chorar.

Uma sociedade que pode produzir uma pessoa de 9 anos que compreende o conceito de sacrifício para o bem maior deve ser uma grande sociedade, um grande povo.

Bem, envie minhas saudações a sua família. Tenho que ir, meu plantão já começou.

Ha Minh Thanh

Filed in Espiritualidade • Tags:

Simplifique a Vida

By Arnóbio - Last updated: Monday, April 11, 2011

SIMPLIFIQUE SUA VIDA

Swami Bhaktananda, Monástico da Self-Realization Fellowship

Em sua juventude, Paramahansa Yoganandají encontrou um santo nos jardins do templo da Mãe Kali. Uma das inspirações que o santo expressava era: “Deus é simples. Tudo o mais, é complexo.” Quanto mais simplificarmos nossas vidas, mais fácil poderá ser atraído para perto de Deus.

O Mestre costumava ilustrar este ponto com uma história de um filósofo, Diógenes. Um dos admiradores trouxe-lhe um tapete grande e novo. Diógenes aceitou o tapete e o admirador ficou muito satisfeito. Mas quando voltou para ver Diógenes, um mês depois, o tapete havia sumido! Diógenes disse a ele, “Bem, me levava tanto tempo limpando-o que dei ao vizinho.”

É desta forma que pessoas que realizam, simplificam suas vidas. Elas têm que fazer isto, porque há muitas distrações. Similarmente, Sócrates disse que costumava ir ao mercado, porque via lá tantas coisas que não precisava. Acho que ele ficaria em êxtase se viesse a uma de nossas lojas de departamento, hoje!

O mundo nos faz pensar que se nós quisermos ser espirituais – ao devotarmos tempo para Deus e meditação, ao invés de usá-lo na busca de desejos materiais – perderemos o que a vida tem a nos oferecer. O oposto é verdadeiro. Neste mundo tão repleto de dificuldades, precisamos de Deus. Precisamos de meditação. E quanto mais problemas tenhamos, mais precisaremos de meditação. Se, quando passa por dificuldades, puser um pouco mais de tempo e esforço nas meditações, descobrirá muitos de seus problemas evaporando-se.

Muitas pessoas que pediram meu conselho sobre seus problemas voltaram mais tarde e disseram, “Agora tudo está bem.” E o único conselho que lhes dei foi só para meditar um pouco mais. Elas tinham se descuidado da meditação.

Certa vez, um lobo estava perseguindo um cordeiro. O cordeiro correu em direção ao templo e safou-se nas escadarias e então olhou para trás, para ver se o lobo o estava seguindo, e o lobo estava gritando para ele, “Cordeiro não entre aí. Os homens o pegarão e vão te sacrificar no altar.” E o cordeiro disse: “É melhor ser sacrificado para Deus no altar do que ser devorado por você.”

O mundo nos devora. Ele nos toma todo o tempo. Nos promete tudo, felicidade, paz, segurança, poder, mas onde estão estas coisas? Mesmo quando as possuímos, ainda sentimos que alguma coisa está faltando internamente, isto é, Deus. Deus é a necessidade mais importante de nossas vidas.

Portanto, vamos nos lembrar de viver esta vida espiritual que Yogananda ensinou. Medite, toda manhã e noite, pratique a presença de Deus enquanto trabalha; estude as palavras do Mestre; e torne sua vida simples e cheia de serviço.

Então a vida se tornará harmoniosa e bela. Esta é a forma como os santos vêem a vida – bela, harmoniosa e cheia de paz, mesmo em meio a problemas externos – porque internamente estão com Deus.

Filed in Espiritualidade, Geral, Ioga, Meditação • Tags: ,

Bem-Aventurados os que sofrem …

By Arnóbio - Last updated: Sunday, March 27, 2011
A Yoga de Jesys A YOGA DE JESUS 

Paramahansa Yogananda

 

“Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus” (Mateus 5:10)

A bem-aventurança de Deus visitará as almas que suportam com equanimidade, por fazerem o que é correto, a tortura da crítica injusta dos falsos amigos, e também dos inimigos, e que permanecerem livres da influência dos maus costumes ou hábitos prejudiciais da sociedade.

Um devoto íntegro não se curvará diante da pressão social para que beba, somente por estar numa reunião em que são servidos coquetéis, mesmo quando os demais zombem dele por não compartilhar de seu gosto.

A retidão moral traz a zombaria de curto prazo mas o regozijo a longo prazo, pois a persistência no autocontrole produz bem-aventurança e perfeição.

Um eterno reino de alegria celestial, a ser desfrutado nesta vida e além dela, é o que recebem aqueles que vivem e morrem conduzindo-se de acordo com o que é justo.

Pessoas mundanas que preferem as indulgências sensoriais ao contato com Deus são os verdadeiros tolos, porque ao ignorarem o que é correto – e portanto bom para elas – têm de colher as consequências.

O devoto íntegro procura aquilo que é benéfico para ele no mais elevado sentido. Aquele que abandona os costumes levianos do mundo e suporta de bom grado o menosprezo que os amigos sem visão expressam por seu idealismo demonstra que está apto para a infindável bem-aventurança de Deus.

O versículo acima também oferece encorajamento àqueles que são perseguidos e torturados por tentatações sensórias e maus hábitos quando decidem aderir a princípios morais e práticas espirituais. Eles são, na verdade, virtuosos, seguindo o caminho correto do autocontrole e da meditação, que a seu tempo sobrepujará as tentações, conquistando para o vitorioso o reino da eterna alegria.

Não importa quão poderosas sejam as tentações, ou quão fortes os maus hábitos, é possível resistir a eles com o poder do autocontrole guiado pela sabedoria e mantendo a convicção de que, seja qual for o prazer prometido pela tentação, ela sempre acabará por trazer-nos sofrimento. As pessoas sem determinação tornam-se inevitavelmente hipócritas, justificando seu mau comportamento enquanto sucumbem às armadilhas da tentação.

O mel de Deus, embora encerrado em mistério, é o que a alma verdadeiramente anseia.

Aqueles que meditam com firme paciência e perseverança rompem o selo do mistério e sorvem profusamente o néctar celestial da imortalidade.

O céu é aquele estado de alegria transcendental e onipresente em que tristeza alguma jamais ousa penetrar.

Pela constante retidão, o devoto alcançará por fim essa divina bem-aventurança da qual não há queda possível. Devotos hesitantes, não estabelecidos na meditação, podem cair desse estado de suprema felicidade; mas os que são resolutos, obtêm permanentemente essa beatitude.

O reino da Consciência Cósmica pertence ao Reino da Bem-Aventurança Celestial e às almas elevadas que Nele imergem. Daí se dizer dos devotos que unem seu ego a Deus, tornando-se unos com o Rei do Universo: “Deles é o reino dos céus”.

Filed in Ciência da Religião, Espiritualidade, Ioga, Ser Integral • Tags: ,

Marcas de batom no banheiro da escola!!

By Arnóbio - Last updated: Tuesday, February 1, 2011

MARCAS DE BATON NO BANHEIRO

(muito boa para amigos e professores)

Numa escola pública estava ocorrendo uma situação inusitada: meninas de 12 anos que usavam batom, todos os dias beijavam o espelho para remover o excesso de batom.

O diretor andava bastante aborrecido, porque o zelador tinha um trabalho enorme para limpar o espelho ao final do dia. Mas, como sempre, na tarde seguinte, lá estavam as mesmas marcas de batom…

Um dia o diretor juntou o bando de meninas no banheiro e explicou pacientemente que era muito complicado limpar o espelho com todas aquelas marcas que elas faziam. Fez uma palestra de uma hora.

No dia seguinte as marcas de batom no banheiro reapareceram…

No outro dia, o diretor juntou o bando de meninas e o zelador no banheiro, e pediu ao zelador para demonstrar a dificuldade do trabalho. O zelador imediatamente pegou um pano, molhou no vaso sanitário e passou no espelho.

Nunca mais apareceram marcas no espelho!

Moral da história: Há professores e há educadores… Comunicar é sempre um desafio! Às vezes, precisamos usar métodos diferentes para alcançar certos resultados.

Por quê?• Porque a bondade que nunca repreende não é bondade: é passividade.

• Porque a paciência que nunca se esgota não é paciência: é subserviência.

• Porque a serenidade que nunca se desmancha não é serenidade: é indiferença.

• Porque a tolerância que nunca replica não é tolerância: é imbecilidade.

“O saber a gente aprende com os mestres e os livros. A sabedoria se aprende é com a vida e com os humildes”

(autor desconhecido)

Filed in Geral, Ser Integral • Tags: