Bhaj Govindam

By Arnóbio - Last updated: Saturday, January 30, 2010 - Save & Share - Leave a Comment

Shankara

1. Venere Govindam, venere Govindam, Venere Govindam. Oh tolo ! Regras de gramática não o salvarão na hora da sua morte.

2. Oh tolo ! Deixe sua sede de acumular riquezas, dedique sua mente à realidade e esteja contente com os frutos das ações executadas no passado.

3. Vendo os seios e o umbigo de mulher, que não são nada mais do que uma modificação da carne, não fique alucinado e envolvido em paixões selvagens e lembre disto sempre.

4. A vida de um homem é tão incerta quantas as gotas da chuva que tremem em uma folha de lótus. Saiba que o mundo é repleto de sofrimentos, doenças e pesares.

5. Quando o indivíduo é capaz de ganhar dinheiro e sustentar a família ele é cobiçado por todos. Mas ninguém em casa se preocupa em ter uma palavra com ele quando seu corpo cambaleia devido à velhice.

6. Quando a pessoa está viva, seus amigos e familiares se preocupam amavelmente com seu bem-estar. Mas quando a alma parte do corpo, até mesmo sua esposa se afasta do cadáver.

7. A infância se perde em brincadeira, a juventude em paixão e a velhice em reflexão e lembranças do passado. Mas raramente se encontra alguém que deseja se perder em Deus.

8. Que é sua esposa ? Quem é seu filho ? Estranho é este mundo. Quem é você ? De onde veio ? Oh irmão, pondere sobre estas verdades aqui.

9. Da satsanga (companhia dos sábios) vem a consicência, da consciência vem o desapego que conduz à verdade eterna e, finalmente, ao nirvana (salvação).

10. Quando a idade passar onde ficará a paixão ? Quando a água evaporar onde ficará o lago ? Quando a riqueza diminuir onde ficarão os amigos e família ? Quando se conhece a verdade, onde fica o samsara (mundo) ?

11. Não ostente riquezas, amigos e juventude que são efêmeros. Sê livre de maya (ilusão do mundo) e atinja a verdade eterna.

12. Dia e noite, crepúsculo e amanhecer, inverno e primavera vêm e vão. O tempo brinca e a vida desaparece, mas a tempestade do desejo nunca parte.

13. Não há ninguém para guiá-lo, Oh alucinado ! Há uma só coisa em três mundos que pode salvá-lo do oceano de maya (ilusão). Depressa, entre no barco da satsanga (companhia dos sábios).

14. Há muitos que têm cabeça raspada, outros, os cabelos arrancados; alguns se vestem de açafrão, e outros de várias cores, em busca do sustento. Mesmo diante da revelação da verdade, os tolos disto não se aprendem.

15. A velhice deixou o corpo do homem sem força e ele se tornou calvo e desdentado, movendo-se com ajuda de muletas. O apego é ainda forte e ele se agarra firmemente aos desejos infrutíferos.

16. O monge esquenta seu corpo ao calor da fogueira. À noite, encolhe seu corpo para mantê-lo aquecido. Mendiga sua comida e dorme sob a árvore. Mesmo assim, não consegue se livrar dos desejos e paixões.

17. Pode-se partir em peregrinações, observar jejuns e doar riquezas, mas sem a sabedoria, mesmo depois de muitos nascimentos, não se atinge o nirvana (liberação).

18. Aquele que renunciou aos confortos, que mora num templo ou debaixo de uma árvore, que se veste com a pelo dos animais, a este não falta nada para ficar feliz, pois é abençoado pelo vairagya (desapego).

19. Ou se goza dos prazeres, ou se engaja na ioga. Ou se vive em família ou se está na solidão, mas só aquele que está ligado a Deus desfruta da felicidade.

20. Quem leu um verso do Gîta (livro sagrado), bebeu uma gota do Ganges (consciência do Shiva), adorou Krishna uma única vez, este não terá medo da morte.

21. Difícil é sair deste processo de vai e vem: o ciclo de nascimento e morte, o estar no útero materno. Oh, Murari (Krishna) salve-me por sua clemência !

22. Não há escassez de roupa para um monge que veste as roupas usadas e jogadas na calçada, livre do vício e da virtude, ele vaga e vive em comunhão com Deus desfrutando a felicidade como uma criança ou como alguém intoxicado.

23. Quem é você ? Que sou eu ? De onde eu venho ? Quem é minha mãe e que é meu pai ? Pense assim e abandone toda a experiência do mundo que é sonho e sem essência.

24. Em mim, em você e em tudo, o mesmo Deus está presente. Raiva e impaciência não tem sentido. Se deseja atingir logo a consicência de Deus, trate a todos como iguais.

25. Não desperdice seus esforços para conquistar os inimigos e amigos. Veja sua própria imagem em todo o mundo e deixe todos os sentimentos de dualidade.

26. Deixe a luxúria, a raiva, os desejos e a ganância. Pondere sua real natureza. Tolos são aqueles que não têm autoconhecimento e sofrem, no inferno, eternamente.

27. Regularmente recite o Gîta, medite e cante as mil glórias dele. Procure a companhia de sábios e santos e distribua sua riqueza para os pobres e os necessitados.

28. Aquele que se rende ao desejo e ao prazer, torna-se uma presa às infecções. Mesmo que a morte traga um fim para tudo, o homem não deixa o caminho do pecado.

29. Riqueza não traz nenhum bem-estar, não há nehuma alegria nisto, verdadeiramente. Pense nisto sempre. Um homem rico tem até mesmo o próprio filho. A riqueza é assim em todos os lugares.

30. Discipline todas as suas atividades vitais; não se deixe influenciar pelos cinco sentidos e discrimine entre a realidade e ilusão. Cante o nome santo de Deus e acalme a mente turbulenta. Faça isto com cuidado, com cuidado extremo.

31. O devoto dos pés de lótus do Guru ! Que tu sejas logo livre de Samsara (ciclo de nascimento e morte) por meio dos sentidos disciplinados e da mente controlada e venha experimentar a graça divina do Senhor que habita em seu coração !

Posted in Espiritualidade, Geral, Ioga, Ser Integral • Tags: , , , Top Of Page

Write a comment